TRAJES DE MULHER E DE HOMEM "Textos e pretextos descabidos"






Deuteronômio 22:5 Não haverá traje de homem na mulher, e não vestirá o homem veste de mulher; porque qualquer que faz isto abominação é ao SENHOR, teu Deus.
___________________________________

O versículo cinco do capítulo vinte e dois de Deuteronômio é um dos contidos nos trinta e quatro capítulos do mesmo. Este é o texto literal relacionado às vestes quanto a sua diferenciação entre homem e mulher. Muitos se valem deste texto para, saírem por aí, com verberações incompetentes, medíocres e intelectualmente fracas, tanto em seu contexto teológico, social e cultural. No entanto, não devemos nos valer de tal texto como Mandamento para nós, achando que estaremos pecando se não cumpri-los, pois tais ordens estão contidas dentro das leis e estatutos dados em específico ao povo por Moisés.

Tais leis e estatutos foram relembrados através de Deuteronômio e estabelecidos entre o povo judeu para que, em termos civis e religiosos, a ordem, a higiene, a decência e outras coisas fossem mantidas.

Vivendo desta forma, os israelitas iriam se manter bem organizados e não se embaraçariam com as várias desordens, ritos religiosos politeístas e imundícias ou práticas anti-higiênicas dos povos vizinhos, uma vez que estavam na iminência de entrarem em Canaã (até então terra estranha e de muitas faces).

Este texto em questão não fala de um dos Mandamentos universais (10 Mandamentos), e sim uma lei estatutária (Código ou regulamento que tem valor de lei ou de norma: 2 Uso, costume, hábito). Urge dizer que, se cumprirmos uma das leis mosaicas, então devemos cumprir todas elas contidas nos trinta e quatro capítulos e, se não o fizermos, estaremos caindo no mesmo erro da hipocrisia dos escribas e fariseus, que foram censurados por Jesus em Mt 23.23; Lc 11. Devemos lembrar que algumas leis (não Mandamentos), foram estabelecidas entre o povo judeu para um fim específico e oportuno, ou seja, na ocasião houve a necessidade de estabelecer tais ordenanças.

Já no NT não há nenhuma referencia a tais ordenanças como sendo mandamentos ou doutrina. O próprio Jesus apenas ensinava as suas palavras de vida eterna sem considerar a aparência das pessoas (Lc 20.21). No entanto, quanto ao assunto em questão (vestes ou trajes diferenciados entre homem e mulher), o que aprendemos é o que está escrito de forma mais clara em 1Tm 2.9; 1Pe 3.3 e outras passagens (de forma mais vaga) que, a nossa maneira de viver e de se portar, tanto o homem quanto à mulher, devem ser de forma moderada (Não exagerado; não excessivo; razoável, equilibrado, com prudência, comedida), com pudor e decência.

Nós devemos considerar que, não podemos ser motivos de escândalo para o Evangelho nem para os irmãos ou a igreja. A bem da verdade, a nossa liberdade em Cristo só vai até o momento em que não ferirmos a consciência do nosso próximo (1Co 10.).
Tais coisas são consideradas como sendo boas para uso, e boas para mantermos como costumes, pois as mesmas não ferem a ninguém; sendo assim, podemos conserva-las apenas como costumes adotados por uma comunidade eclesiástica. Contudo não devemos superestimá-las, pois se assim o fizermos seremos exortados pelo Apóstolo Paulo quando escreve aos Colossenses no capitulo 2.20-24.
Lembremo-nos de que todas as coisas nos são lícitas, mais nem todas nos convêm, ou seja, devemos sempre fazer um exame de nós mesmos, para concluímos se, estamos sendo coerentes com a palavra de Deus no que tange ao viver santo e moderado.

Devemos sempre fazer um exame de nós mesmos para ver se, o que estamos vestindo, falando ou praticando está em acordo com uma vida de cristão baseado nos ensinamentos de Jesus Cristo. E como disse João, aquele que diz que está nele deve andar como Ele andou (1Jo 2.6).

ex toto corde.
Que Deus abençoe.

3 comentários:

PB.JAILSON TRAJANO disse...

Paz querido!Parabens pelo seu blog!
Gostei muito!
estamos orando por vc e seu ministério!
fica na Paz!

Asmodeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Asmodeu disse...

Caro Cícero de Souza

Sou apenas um cidadão anónimo que define religião como um acto de fé e em alguns casos como a tentativa de impormos a nossa visão sobre “deus” a outra pessoa.

Confesso que desconhecia a existência de orientações específicas quanto ao vestuário cristão, mas o que me leva a comentar é efectivamente o “Deuteronómio”, e como você se apresenta como uma autoridade na matéria não resisti em socorrer-me do seu blogue.
.
Depois de ler o seu texto intitulado O Professor-Polémico que até achei interessante, decidi desafiá-lo para a descodificação de algumas das passagens mais interessantes das “escrituras”, e que têm sido constantemente ignoradas.

Deuteronômio 13:6 Quando teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu seio, ou teu amigo que te é como a tua alma, te incitar em segredo, dizendo: Vamos e sirvamos a outros deuses! - deuses que nunca conheceste, nem tu nem teus pais,

Deuteronômio 13:7 dentre os deuses dos povos que estão em redor de ti, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até a outra –

Deuteronômio 13:8 não consentirás com ele, nem o ouvirás, nem o teu olho terá piedade dele, nem o pouparás, nem o esconderás,

Deuteronômio 13:9 mas certamente o matarás; a tua mão será a primeira contra ele para o matar, e depois a mão de todo o povo;

Deuteronômio 13:10 e o apedrejarás, até que morra, pois procurou apartar-te do Senhor teu Deus, que te tirou da terra do Egipto, da casa da servidão.

Respeitosamente

PS.: Alguns considerandos sobre a “bíblia” podem ser lidos nestes comentários