OS SUCESSORES DOS POFETAS DE BAAL

Em uma noite destas fui convidado por um amigo a ir a um monte perto de casa para orarmos um pouco. Então por volta da meia noite saímos e fomos para um lugar freqüentado por muitos crentes. Por compartilharmos alguns sentimentos, desejos e dilemas, entramos no seu carro e fomos conversando sobre muitas coisas; algumas de nível espiritual como, "A santificação e os meios para alcançá-la", "O poder e autoridade de Deus em nós, os que pregamos a sua palavra", "Os dons do Espírito e os frutos do Espírito", enfim, vagueávamos pelos ares do Espírito.
Então depois de alguns minutos chegamos ao local planejado; o lugar estava cheio de crentes; acredito que de vários lugares, de várias denominações e de vários “estilos de adoração”. O clima aparentemente era todo espiritual;
muitos estavam de mãos dadas rodando juntos, outros rodavam sozinhos, alguns deitados no chão, possivelmente arrebatados, uns oravam sozinhos e outros em grupo cantavam e oravam uns pelos outros, etc, etc.
Notadamente eram várias, as formas de movimento naquele lugar.
Quando já estávamos no lugar planejado, ao invés de começarmos a orar como todos os outros, continuamos a nossa conversa e tambem faziamos observações sobre o que víamos e ouvíamos. De repente um episódio nos chamou a atenção enquanto conversávamos sobre as coisas de Deus... ...! Uma mulher (em êxtase e de aparência evangélica), obesa e vestida em roupas escuras, saiu não sei de onde ou do meio de algum grupo de oração e, como nós estávamos mais embaixo perto de uma ribanceira, a mesma veio rolando muito rápido em nossa direção, gemendo, chorando e soltando alguns gritos agonizantes. Naquele momento alguns começaram a ficar preocupados, inclusive nós, pois o lugar para onde ela estava se dirigindo rolando pelo chão é muito íngreme e alto. No local houve uma certa confusão, posto que, alguns pediam para segurá-la e cercá-la, para que ela não rolasse morro abaixo; enquanto outros exortavam os amigos daquela mulher a vigiarem mais. Finalmente aquela irmã parou antes que algo pior pudesse acontecer.
Diante daquele acontecimento, eu e meu amigo ficamos um pouco perturbados em relação ao conteúdo supracitado que eu identifiquei como sendo, “estilos de adoração”; pois não é escondido que, tais movimentos, tem se multiplicado desmedidamente a cada ano e a cada nova denominação que abre suas portas.
É sabido também que muitas têm aberto as suas portas com seus lemas e estilos no alto de suas placas, e de forma pictórica[1] mostram qual é a “cara e a essência daquela comunidade”. A partir daí as mesmas denominações tem sido conhecidas e reconhecidas pelos seus estilos como, a forma de louvor, frases ou chavões vociferados nas horas de culto, liturgias e outros.
Quem ainda não percebeu o tom de voz e trejeitos de alguns bispos e pastores ? A forma tão semelhante de eles abrirem os braços e as mãos enquanto falam, não é de impressionar? E quanto às orações que fazem os membros de algumas igrejas pentecostais ("...?"), quando oram no microfone se fazendo ouvir e no final de cada frase, inspiram fazendo um barulho horrível!? Estes movimentos tão fáceis de se identificar pelas suas atitudes me fazem lembrar 1Reis 18, quando os profetas de baal se retalhavam e se cortavam com facas enquanto clamavam ao seu deus. Percebe-se que os mesmos já estavam ali há algum tempo e, em um dado momento, entraram em algum tipo de êxtase emocional que os levaram a flagelar os seus próprios corpos. E urge dizer que do jeito que as coisas estão caminhando, não vai demorar muito e começarão a aparecer em alguns montes ou cultos em igrejas, crentes com facas, estiletes, canivetes e outras bugigangas de flagelações corporais, dizendo que estão buscando ou que chegaram a um nível maior de santificação, ou que receberam uma “revelação ou nova unção”; e, vale lembrar que já se manifestam por aí com uma tal de "unção do chicote", e dentro de pouco tempo poderão aparecer outras como "unção do estilete" e "unção da faca". Enfim, diante do que os meus olhos já viram, não duvido que tais coisas, ou piores do que estas possam acontecer no meio evangélico.
Pensem um pouco... Será que já não há nos nossos dias, alguns sucessores ou seguidores daqueles profetas de baal? E o que é pior, infiltrados em nosso meio causando uma tremenda pândega
[2] e propagando as suas mentiras.
Eu ouso dizer que muitos destes “PSEUDOS
[3]” já estão aí no meio do nosso povo se dizendo pastores, mestres e profetas, (sem desconsiderar os verdadeiros chamados por Deus, é claro) mostrando e ensinando que as variadas manifestações físicas atuais de “poder”, são demonstrações do Espírito Santo e da sua unção. Dizem ainda que, as mesmas são uma nova unção do Espírito sendo derramado sobre a igreja.

Estes líderes arrebitados[4] são verdadeiros manipuladores de massas humanas, são cegos a conduzir cegos, são como bêbados a tatear no escuro sem saber para onde estão indo; e os que os seguem e acreditam em suas mentiras são como folhas secas sendo levadas por qualquer vento ou leve brisa; (Ef 4.14).
Diante de tais fatos, eu me recuso a acreditar que o Santo Espírito de Deus esteja derramando poder em um culto onde, todos estão caindo pelo chão e perdendo o pudor e o brio, mostrando de forma quase que despida as suas vergonhas.
Eu me recuso a acreditar em uma manifestação física do poder do Espírito onde, enquanto o pregador ministra a palavra, alguns irmãos começam a bramir línguas estranhas em voz alta em paralelo com a mensagem, dificultando a assimilação e compreensão da palavra pregada.
Eu me recuso a acreditar em manifestações do Espírito Santo onde, os crentes rodopiam, uivam como lobos, miam como gatos, rugem como leões, pulam num pé só e dançam em duplas como aves em tempo de acasalamento, correm de um lado para o outro e até dão saltos mortais nos corredores da igreja;
(1Co 14.1-40)
Os tempos hoje são outros; as manhas do diabo tem sido mais sutis; portanto devemos ser criteriosos[5] e vigilantes[6].
Eu tenho ficado perplexo com a engenhosidade desse malfeitor, pois ele tem se intrometido de forma tão imperceptível que muitos acham que é Deus quem está operando em alguns casos no meio do seu povo. As malhoadas[7] do diabo tem arrasado e acabado com a pureza e santidade da adoração genuína, com a ordem e a decência de valores litúrgicos tão respeitados e guardados pelos Pais da Igreja.
Eu fico a me perguntar; onde, afinal de contas, foi parar o dom de discernir espíritos!? Sim, para que nesses cultos possamos saber se o que está acontecendo vem de Deus, somente.
Às vezes eu sinto a falta de homens como o Apóstolo Paulo que foi sensível a Deus e conseguiu discernir aquele espírito maligno de adivinhação, mesmo sabendo que ele estava pronunciando palavras de verdade e de exaltação a Deus.
(At 16-18)

Infelizmente não é assim que tem acontecido em nossos dias, no meio do seu povo. Aparece alguém falando no nome de Jesus e dizendo que recebeu do Senhor uma “nova revelação ou nova unção”, que logo todos saem correndo atrás como patinhos para pular dentro da lagoa; não sabendo ou não se importando em verificar se dentro daquela lagoa não há algum jacaré à espreita.
Muitos de nós estão se esquecendo dos conselhos de João quando nos orienta a não darmos crédito a qualquer espírito, antes devemos provar[8] os mesmos para vermos se eles procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo. (1Jo 4.1)

Deixemos de ser meninos levados pela beleza e doce de um pirulito colorido. Sejamos adultos, agindo com prudência e sobriedade. Não sejamos como neófitos na fé. Não sejamos como incautos que são pegos desprevenidamente.
Temos por obrigação e prioridade, como servos de Deus, apreciar, avaliar e formatarmos um juízo crítico-construtivo acerca de tudo que vem até nós.
Nunca, jamais devemos nos esquecer dos conselhos de Paulo em sua primeira carta aos Tessalonicenses.

1 Ts 5:21
"Julgai todas as coisas, retende o que é bom;"


EX TOTO CORDE
[1] [Do lat. pictore, 'pintor', + -ico.]Adj. Referente a, ou próprio da pintura; pictorial, pitoresco, pictural.
[2] Folguedo ruidoso e alegre; brincadeira, folgança, folia. 2. Estroinice, extravagância. 3.Patuscada, comezaina.
[3] [Do gr. pseud-, pseudo- <>[4] Revirado para cima na ponta: Bras. Fig. De mau gênio; irascível, genioso. Vivo, esperto. Petulante, insolente.
[5] [De critério + -oso.] Adj. Que revela, ou em que há critério. Acertado, ajuizado, judicioso.
[6] [Do lat. vigilante.] Adj. Que vigia ou vigila; vigiante, vígil. Zeloso, diligente, vigiante. Cuidadoso, cauteloso, precavido, atento, vigiante. Pessoa vigilante.
[7] [De malha1.]S. f. Conluio, tramóia.
[8]V. t. d. e i. Estabelecer a verdade, a realidade de; dar prova irrefutável de: 2 Tornar evidente; demonstrar, patentear, testemunhar, justificar, comprovar: Submeter a prova; experimentar, ensaiar: Fazer conhecer; revelar, mostrar, denotar.
Todas estas notas de rodapé são da fonte: DICIONÁRIO AURÉLIO SECULO XXI.

2 comentários:

Paulo Machado disse...

excelente texto, muito ilustrativo.

ficamos envergonhados por sermos confundidos com esses. mas não devemos deixar que isso anule a nossa busca com zelo pelos dons do Espírito Santo.

Felipostagens disse...

è isso ai, tenho medo, como tenho sido muito falho( pesso que orem por mim), fico com medo muitas vezes de me pronunciar, com medo de por não discernir direito encontrar-me contra o próprio Espírito Santo, mas, todavia tenho visto e não concordo com muitos movimentos destes estranhos, que não estão longe, não precisamos de irmos a outras igrejas em nossas próprias encontramos os mesmos.Pesso a Deus que confirme o que é dele e que não permita que os enganadores perpetuem-se, e creio como já tenho lido em sua palavra que não ficara em pé aquele que ludibria o povo de Deus com suas heresias de morte...